1893

 

28 DE SETEMBRO

 

FUNDAÇÃO DO FOOTBALL CLUB DO PORTO

 

ANTÓNIO NICOLAU D´ALMEIDA

 

 

Em 1893, com apenas 19 anos de idade, António Nicolau d´Almeida, jovem comerciante portuense, sócio de seu pai numa firma de exportação de Vinho do Porto e do Real Velo-Club do Porto, onde era ecléctico atleta, regressado de Inglaterra, onde estivera a negócios, consigo trouxe o fascínio do novo jogo da moda – o football – e a vontade de o introduzir no Real Velo-Club, o qual, no entanto, não apoiaria a iniciativa, por estar bem mais interessado na prática do ciclismo, que começava então, também, a evidenciar os seus encantos.

Foi então que, António Nicolau d´Almeida, junto com alguns dos seus amigos, decidiu fundar um outro clube – o Football Club do Porto.

E não foi por mero acaso a data escolhida – 28 de Setembro – para a sua fundação. Nesse mesmo dia, o Rei Dom Carlos festejava o seu trigésimo aniversário e a Rainha Dona Amélia o seu vigésimo oitavo.

A notícia do evento seria publicada pelo “Diário Illustrado”, periódico lisboeta.

Estava dado o primeiro impulso para a concretização de um sonho…

 

“Diário Illustrado” de Lisboa,

28 de Setembro de 1893

“Fundou-se no Porto um club denominado Football Club do Porto, o qual vem preencher a falta que havia no norte do paiz, de uma associação para os jogadores d´aquella especialidade.

No segundo domingo de outubro inaugura-se o club officialmente, com um grande match entre os seus socios, no hyppodromo de Mattozinhos [Campo do Prado].

Ouvimos dizer que serão convidados alguns clubmen de Lisboa.

Que o Football Club do Porto apure um grupo rijo de jogadores e que venha medir-se ao campo com os jogadores do Club Lisbonense, do Real Gymnasio Club, do grupo de Carcavellos ou de Braço de Prata, para animar os desafios de football como já o são as corridas cycles. Eis o que desejamos.”

 

“Jornal de Notícias” do Porto,

8 de Outubro de 1893

“Realisa-se hoje, ás duas horas da tarde no antigo hyppodromo [Campo do Prado], um match de football promovido pelo Football Club do Porto, tomando parte n`esta diversão vinte e dois socios do referido club.

Os dois partidos são capitaneados pelos Srs. Nugent e Mac Kechnie distintos jogadores e socios do referido club.

Tomam parte os srs. Fernando e António Nicolau d´Almeida, Arthur, Lacy e Robert Rumsey, Alfred e Edward Kendall, Guilherme Andresen, Walter Mac Connan, João Barbosa, António Maria Machado, José Valle, Arthur Ramos de Magalhães, Edward Spratley, Alex Johnston, Hans Peters, Jorge Hardy, Joaquim Duarte, Henrique Cunha e A. Vieira da Cruz, etc.

Vem assistir a este torneio as senhoras da colonia balnear da Foz.

Este interessantissimo jogo é uma novidade no Porto e há grande enthusiasmo, tendo se feito já algumas apostas.”

 

Uma hora depois do match inicial, uma selecção destas duas equipas voltou a jogar, desta vez tendo como adversário uma comitiva proveniente de Aveiro, capitaneados por Mário Duarte, ilustre e ecléctico sportsman da região aveirense. Participaram no ensaio António Nicolau d´Almeida, Mac Kechnie, Arthur Rumsey, Lacy Rumsey, Romualdo Torres, Williams Chambers, Fernando Nicolau d´Almeida, Albert Casselles, Albert Kendall, Alfred Kendall, Edward Kendall, Alfred Nugent, F. H. Ponsonly e Mac Geock.

 

“Jornal de Notícias” do Porto,

15 de Outubro de 1893

Football Club do Porto – Esta aggremiação realisa hoje, pelas 2 horas da tarde, o segundo match, no antigo hipodromo em Mathosinhos [Campo do Prado].

Serão capitães dos dois elevens os srs. Mac Kechnie e Edward Kendall.

A este interessantissimo jogo, uma perfeita novidade entre nós, assistem as senhoras das colonias balneares da Foz, Mathosinhos e Leça.

Ao match que se realisou no domingos passado, apesar do dia chuvoso que esteve, assistiu grande número de senhoras e cavalheiros.

Consta-nos que brevemente se realisa um grande match entre este Club e o Football Club Lisbonense.”

 

 

 

O entusiasmo cresceu e, a 25 de Outubro de 1893, António Nicolau d´Almeida, agora com 20 anos, assumindo a qualidade de Presidente do Football Club do Porto, lançaria o convite ao Football Club Lisbonense, na pessoa de seu Presidente Guilherme Pinto Basto, para a disputa de um match a 2 de Novembro de 1893, na cidade do Porto, com o desejo de solemnizar a definitiva instalação do Football Club do Porto.

 

“Ill.mo Ex.mo Sr. Presidente do Football Club Lisbonense,

Desejando solemnisar a definitiva instalação do Football Club do Porto resolvemos organizar um match quarta feira próxima 2 de Novembro, no qual tomasse parte um eleven do Team do Club a que V. Ex.ª tão dignamente preside.

Não temos é certo em virtude da pouca prática e nenhum training dos n/jogadores um eleven de primeira ordem, capaz de fazer frente ao do Club Lisbonense. Como no entanto o n/convite não representa um repto lançado pelos n/jogadores aos jogadores de Lisboa, mas tão somente o vivo desejo de estreitar relações de franca camaradagem, esperamos q. V. Ex.ªs nos revelarão a n/justificada impericia.

Cumpro pois, na qualidade de Presidente do Football Club do Porto, o honroso dever de convidar por intermédio de V. Ex.ª os valentes e adestrados jogadores do Club Lisbonense a tomarem parte no referido match.

Na esperança de sermos honrados com a anuência ao n/pedido, aguardamos o favor de uma resposta rápida p.ª n/governo.

Deus guarde V. Ex.ª Ill.mo Ex.mo Sr. Presidente do Football Club Lisbonense.

Porto, 25 Out. 1893

Pelo

FOOTBALL CLUB DO PORTO

O Presidente

António Nicolau d´Almeida”

 

“Diário Illustrado” de Lisboa,

29 de Outubro de 1893

O anúncio da carta de António Nicolau d´Almeida dirigida a Guilherme Pinto Basto, respectivamente Presidentes de Football Club do Porto e Football Club Lisbonense, seria estampado no “Diário Illustrado” na sua edição de 29 de Outubro de 1893.

“O Football Club do Porto acaba de mandar um amavel cartão de desafio ao grupo do antigo Club Lisbonense, de Lisboa.

O cartão convida este grupo a encontrar se em campos do Porto, no proximo dia 1 [2].

Em vista da brevidade com que foi feito e empregado o desafio, o Clube Lisbonense vae acceital-o mas não para o dia 1 [2], pois não é possivel reunir, escolher o grupo, e dispôr a partida em tão curto espaço de tempo.”

 

 

1894

 

Não houve forma de se acertarem datas antes de Fevereiro do ano seguinte. Por essa altura, Guilherme Pinto Basto, visionário, foi mais longe, tentando convencer o Rei Dom Carlos a patrocinar o novo acontecimento. Este impôs as suas condições para a sua presença e patrocínio. O match não poderia ser considerado interclubes mas sim intercidades, de forma a ser mais abrangente e poder ser integrado nas comemorações do Centenário Henriquino, que celebrava um dos portuenses mais ilustres de sempre – o Infante Dom Henrique. Impôs, ainda, que cada equipa tivesse, pelo menos, seis jogadores portugueses. O Rei Dom Carlos agraciaria o vencedor com a Taça Dom Carlos I, também denominada de Cup d´El-Rei, com a inscrição “Football Championship das Cidades de Portugal”.

 

A partida disputou-se no dia 2 de Março de 1894, no Campo do The Oporto Cricket Club and Lawn Tennis, no Campo Alegre, conhecido como Campo dos Ingleses. Assistiram ao desafio o Rei Dom Carlos, a Rainha Dona Amélia, o Príncipe Real Luís Filipe e o Infante Dom Manuel, embora, segundo o “Diário Illustrado”, tenham chegado substancialmente atrasados, tendo o match, a pedido de Sua Majestade a Rainha, sido prolongado por mais alguns minutos. Os representante lisboetas venceram a partida por 1-0.

 

Associados presentes nos eventos desportivos realizados pelo Football Club do Porto

Alfred Nugent,

Mac Kechnie,

Fernando Nicolau d´Almeida,

António Nicolau d´Almeida,

Arthur Rumsey,

Lacy Rumsey,

Robert Rumsey,

Alfred Kendall,

Edward Kendall,

Albert Kendall,

Guilherme Andresen,

Walter Mac Connan,

João Barbosa,

António Maria Machado,

José Valle,

Arthur Ramos de Magalhães,

Edward Spratley,

Alex Johnston,

Hans Peters,

George Hardy,

Joaquim Duarte,

Henrique Cunha,

A. Vieira da Cruz,

Mac Geock,

Fernando Guimarães,

Arthur Dagge,

Mac Millan,

F. Hugh Ponsonly,

Adolfo Ramos,

R. Ray,

Romualdo Torres,

Herbert Cassels,

Williams Chambers.

 

Após um arranque entusiasmante, e com o afastamento por razões familiares e profissionais de António Nicolau d´Almeida, seguiu-se um hiato de um pouco mais de uma década na história do Football Club do Porto, até ao seu ressurgimento, em 1906, pelas mãos e acção determinada, sábia e inovadora de José Monteiro da Costa.